Logo Imagem Tempo
Voltar
TN_prog-festival-do-rio

02.10.17

‘Torquato Neto – Todas as horas do fim’ estreia no Festival do Rio

O documentário Torquato Neto – Todas as horas do fim traz ao cinema, pela primeira vez, a obra e vida do poeta piauiense Torquato Neto, que se suicidou aos 28 anos, em 1972. O filme terá sua estreia na 19ª edição do Festival do Rio, onde será exibido como Hors Concours da mostra Première Brasil.

Dirigido por Marcus Fernando (produtor e pesquisador musical, diretor da série de TV Cale-se – A censura musical) e Eduardo Ades (diretor de Crônica da demolição e do curta A dama do Estácio), o filme traz Torquato Neto como protagonista de fato – e não “assunto” sobre o qual outras pessoas falam.

Assim, Torquato tem lugar central: nas fotografias do Arquivo Torquato Neto, nas filmagens realizadas por Ivan Cardoso e com o único registro sonoro de sua fala, localizado durante a realização do filme. Somam-se a esses materiais diversos textos, cartas e poemas de sua autoria, pela voz de Jesuíta Barbosa. E completam a narrativa os depoimentos de parentes e amigos que conviveram com ele, como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Augusto de Campos, entre outros.

Confira a página do filme no site do Festival. As sessões serão abertas pelo curta-metragem O quebra-cabeças de Sara, de Allan Ribeiro.

Programação de Torquato Neto – Todas as horas do fim no Festival do Rio
Sábado, 7 de outubro, 19h30 – Cine Odeon – sessão de estreia com convidados
Segunda, 9 de outubro, 20h30 – Reserva Cultural (Niterói)
Terça, 10 de outubro, 18h45 – Cine Roxy

Compre seus ingressos nas bilheterias dos cinemas ou no site da ingresso.com (link direto).

Sinopse
Torquato Neto (1944-1972) vivia apaixonadamente as rupturas. Atuando em múltiplas frentes – no cinema, na música, no jornalismo –, o poeta piauiense engajou-se ativamente na revolução que mudou os rumos da cultura brasileira nos anos 1960 e 1970. Foi um dos pensadores e letristas mais ativos da Tropicália, parceiro de Gilberto Gil, Caetano Veloso e Jards Macalé. Junto à arte marginal, radicalizou sua atuação e crítica cultural, ao lado de Waly Salomão, Ivan Cardoso e Hélio Oiticica. Por fim, rompeu com sua própria vida. Suicidou-se no dia de seu aniversário de 28 anos.

Ficha técnica
Documentário, 87 minutos

Direção e roteiro
Eduardo Ades
Marcus Fernando

Argumento
Marcus Fernando

Com a voz de
Jesuíta Barbosa

Produzido por
Daniela Santos
Eduardo Ades
João Felipe Freitas

Produção executiva
Daniela Santos
Bibiana Osório

Direção de produção
Angélica de Oliveira

Montagem
João Felipe Freitas

Pesquisa
Remier Lion
Marcus Fernando
João Felipe Freitas
Eduardo Ades

Edição de som
Thiago Sobral

Mixagem
Jesse Marmo

, , , , , , , ,